Menu
conheça: softland.lojaintegrada.com.br Facebook Twitter Pintarest
Headline story title

visite nosso site | entre em contato

ALINHAR O MARKETING


 

A melhor definição de marketing que eu conheço é do Philip Kotler: “Marketing é a satisfação sustentável, percebida, dos consumidores pelos pontos de vendas, e a gestão das suas relações com os elos com a sociedade.” 

Fazer um bom marketing demanda sensibilidade, conhecimento do público-alvo e mercado consumidor, e preocupação com a experiência do cliente. No entanto, poucas empresas sabem relacionar o marketing com as vendas, cometendo erros na estratégia.

Gastar muito dinheiro em um folder não quer dizer que é um bom marketing para sua empresa, pois você pode estar jogando dinheiro fora. Depende do seu modelo de negócio, quando e como este material é usado, e a quem ele é entregue. Canso de ver materiais caríssimos sendo jogados no lixo porque chega nas mãos das pessoas erradas ou desinteressadas no determinado produto ou serviço.

Fazer marketing de massa, como TV, rádio, jornais e revistas demanda um estudo de mercado, analisar o “target” destes canais de mídia e se vale a pena investir. Nos últimos anos, tenho observado que o melhor marketing é aquele que influencia a opinião do consumidor, o tornando fã de sua marca e claro, estimulando o boca a boca.

Aliás, este sim sempre será o melhor modelo de marketing e o mais efetivo para a venda. Quando seu cliente se torna promotor de sua marca, sua empresa pode prosperar e crescer a cada dia mais,

Por isso, vendas e marketing andam juntos e o vendedor precisa investir tempo neste aspecto mercadológico. Não adianta ter estoque de produtos sensacionais e uma loja maravilhosa, se o vendedor que atende não tem uma boa aparência e fala um português ruim. Isso depõe contra todo o esforço de marketing.

Os melhores vendedores que conheço, investem na sua imagem, na sua marca e no seu desenvolvimento para promover relações de consumo altamente envolventes. Quem não pensa nisso, não considera que uma empresa dependerá de seus vendedores para crescer e manter clientes satisfeitos, e portanto, põe sua imagem a perder para a concorrência com uma equipe bem treinada.

O vendedor faz marketing pessoal, relacional e ainda neural (neuromarketing). O lado pessoal está na identidade dele ou dela como vendedores que são. Presença, boa apresentação, conhecimento de produtos e serviços, linguagem que usa e como se porta antes, durante e depois da venda.

Aliás, depois da venda é que vem o marketing relacional, afinal, não adianta vender uma vez só. É preciso prestigiar o cliente comprador, ativo, estratégico. Fazer pós-venda é um marketing de relacionamento importantíssimo e pouca gente faz. Cuidar de ouvir clientes, mesmo os que reclamam, pode alavancar mais vendas, pois quase sempre que atendi um cliente insatisfeito, vendi mais para ele ou ela.

Agora, o marketing neural é também um poderoso caminho para tornar seu produto ou serviço marcante e percebido como opção de compra. Quando criamos algo que insinua nossa marca na cabeça dos nosso potenciais clientes, temos uma chance maior de retê-los ou de conquista-los.

Um perfume, uma identidade visual (cores, formas, etc), qualquer coisa que enuncie o seu negócio na cabeça do seu cliente, é um recurso valioso na influência que terá no mercado. Pense em investir algum tempo pensando nos seus diferenciais de marketing e foque em ter uma apresentação marcante, de bom gosto, memorável e que proponha uma experiência favorável aos seus clientes em potencial. Cuide disso para vender muito mais!

Marcelo Ortega é especialista em vendas, palestrante e consultor empresarial.

 

 

ENTREVISTA DO MÊS

 

TabletGuilherme Ferrentini- Estagiário de Marketing

 

Se você pudesse se descrever com uma frase, qual seria?

Nunca desisto dos meus objetivos. Eu sei que com trabalho eles podem se tornar realidade.

Tem algum passatempo, um hobby, coleciona alguma coisa?

Acredito que o meu passatempo seria ir a academia todos os dias depois do expediente e ficar com a minha namorada aos finais de semana. 
Desde pequeno gosto de acompanhar futebol, e como palmeirense, coleciono revistas, camisas e acessórios do meu time de coração.

Como você analisa o seu ambiente de estágio?

Muito próspero, descontraído e com muita tranquilidade de trabalhar. Posso dizer que nem vejo a hora passar direito.

O que mais gosta de fazer dentro da empresa?

De entrar em contato com os clientes via telefone ou até mesmo pessoalmente.

Como você avalia o seu desempenho para com os clientes e futuros clientes?

Avalio como bom, pois tudo que eu aprendi na minha vida profissional estou colocando em prática nesse novo objetivo. Também acredito que posso me aperfeiçoar cada vez mais para que a minha próxima avaliação seja "ótimo". :)

Você, sendo estagiário de Publicidade e Marketing, o que tem a dizer como dica à nossos clientes?

Vestir a camisa da empresa, exercendo suas funções da melhor forma possível, Solicitando dicas para seus responsáveis a fim de se aperfeiçoar com o tempo. Buscar sempre aquele famoso “algo a mais” sempre que puder. Trocar conhecimento é uma excelente forma de aprendizado.

 

DICAS PERMANENTES

Se você não recebe a sua nota é porque provavelmente o endereço esteja errado no site da prefeitura. Para alterar o e-mail de onde a nota deve ser enviada siga os seguintes passos:

www.nfe.prefeitura.sp.gov.br
digite CNPJ
digite (ou crie) a senha 
AMBIENTE RESTRITO
Configurações do Perfil
E-MAIL P/ RECEBIMENTO DE NFS-e

 

NOVIDADE!

Estamos preparando um novo projeto com muitas informações sobre gestão empresarial. Abordaremos desde a concepção da marca até dúvidas Jurídicas Fiscais. O novo portal fará toda a diferença para clientes Softland e futuros clientes. Aguardem! 

PENSAMENTO


"Ainda que fôssemos surdos e mudos como uma pedra, a nossa própria passividade seria uma forma de ação."

"O importante não é aquilo que fazem de nós, mas o que nós mesmos fazemos do que os outros fizeram de nós"

"Ser-se livre não é fazermos aquilo que queremos, mas querer-se aquilo que se pode."


Jean Paul Sartre

 

gestão de empresas

 

COMO SE PREPARAR PARA SER DONO

DE EMPRESA E BOM CHEFE AO MESMO TEMPO?

POR LUIZ FELIPE MORAES- GERENTE DE MARKETING E COORDENADOR DE IMPLANTAÇÃO

 

Empresários e chefes devem aprender a lidar com incertezas. Essa instabilidade torna muito mais difícil administrar e fazer previsões do que vai acontecer com os negócios. Os líderes devem então, adaptar-se às evoluções do seu ambiente. Ao invés de uma de gestão previsional, estatística, o mais correto é a criação de um modelo de gestão mais avaliativo e inovador, na tentativa de antecipar o que vai acontecer no futuro.

Empreendedores têm que aprender a desenvolver sua capacidade de formar e liderar boas equipes. Líderes e empresários de sucesso são aqueles que acreditam nas pessoas como chave do sucesso da empresa e que criam um ambiente positivo de trabalho, sem medo, pois o medo atrofia a criatividade e o espírito inovador.

Gerenciar uma equipe consiste na coordenação e integração dos recursos realizada por meio de controles, a fim de atingir os objetivos estabelecidos. O gestor se ocupa muito mais dos recursos, dos objetivos e das tarefas, enquanto o líder é aquele que procura influenciar o comportamento dos outros.

Liderar é influenciar e mobilizar as pessoas para que desenvolvam motivação para fazer o que deve ser feito com boa vontade e com o máximo de seu potencial para atingir os objetivos compartilhados. Um empresário eficaz, um bom chefe, deve reunir as duas qualidades.

Ser líder é uma tarefa a ser executada e depende, acima de tudo, de uma vontade pessoal. É preciso querer ser líder. É preciso querer assumir a responsabilidade pelos outros, definir alternativas, avaliar, fazer escolhas e controlar o trabalho de pessoas. Para liderar, existem algumas competências essenciais que podem e devem ser aprendidas por donos de pequenas empresas:

1. Influencie pessoas
A primeira das competências essenciais, não pela ordem de importância, mas é a capacidade de influenciar pessoas. Fazer com que pessoas entendam o que você quer, acreditem em você, ou que coisas aconteçam porque você conseguiu que pessoas as fizessem.

2. Saiba tomar decisões
Optar por uma alternativa, coisa ou pessoa e abrir mão das demais. Todos nós temos dificuldade em fazer escolhas . Pelo medo de não ter feito a escolha certa, pelo receio de que talvez existam alternativas melhores. Nem sempre se pode ter a certeza de que a ordem dada, o caminho definido e a ação escolhida sejam as melhores alternativas. Na vida empresarial o não fazer, o não tomar a decisão é muito pior que fazer alguma escolha, mesmo que não a ideal.

3. Tenha empatia
Capacidade de ter e desenvolver empatia, de perceber o que os outros querem, e conseguir que os outros percebam o que você quer. Empatia é o contrato, o acordo e a percepção mútua. Não existe tarefa ou ação empresarial que prescinda da boa comunicação. O líder empresarial só vai conseguir fazer sucesso se tiver a comunicação adequada com todos os envolvidos: clientes, fornecedores, subordinados e superiores.

4. Domine bem as emoções
Isso começa sempre por um autocontrole, pois quem não se controla, não vai controlar emoções nem situações. Ter autocontrole não significa eliminar os sentimentos, mas sim usar adequadamente estes sentimentos.

5. Tenha visão estratégica
O bom líder é aquele que avalia e prevê o que vai acontecer. Antecipar é estabelecer prioridades e interesses. É definir aquilo que se precisa conhecer e acompanhar em detalhes e manter uma vigília estratégica. O futuro não é uma adivinhação, mas a consequência do que já está acontecendo.

6. Seja otimista
As pessoas escolhem os otimistas para serem seus líderes. Um líder otimista contagia a sua equipe e criar um clima positivo na empresa é diretamente relacionado pelo comportamento do líder.Líderes afetam o clima pela maneira como demonstram emoções positivas. Fomentar emoções como alegria, confiança, amor, apreciação e reduzir emoções negativas provocam um aumento da capacidade cognitiva, da criatividade e da produtividade das pessoas.

Essas são as competências que se precisa aprender para ser dono de empresa e bom chefe ao mesmo tempo.

Fonte de consulta: Revista Exame. 

OS SINAIS DO CLIENTE

Os sinais que o cliente dá sem nem precisar falar
Respondido por Richard Vinic, especialista em marketing

“Eu quis dizer você não quis escutar. Agora não peça não me faça promessas...” Este trecho da famosa música dos Paralamas do Sucesso alerta para a necessidade de entender o comportamento do cliente. Mas ouvir o cliente não se restringe a escutar o que ele diz. O desafio está em entender o que ele não diz.

Isso deve ser parte da rotina do empreendedor e, mesmo que você não disponha de recursos para investimentos em pesquisas de mercado ou ferramentas de análise. Sua proximidade com o cliente pode ser uma importância vantagem competitiva.

Quais os motivos que fazem com que o consumidor escolha seu produto ou serviço e não o do concorrente à sua frente? Quais as razões pelas quais ele deveria preferir se relacionar com sua empresa? Essas são apenas algumas das questões que devem motivar o empresário no estudo do comportamento de compra.

E o que esta análise pode contribuir para o dia-a-dia da empresa? Entender os fatores motivacionais certamente ajudará a conhecer alguns importantes hábitos de compra.

1. Frequência de Compra: com qual frequência o cliente procura sua empresa? Esta informação pode indicar a necessidade e o intervalo com que novas soluções devem estar disponíveis para o cliente.

2. Papéis desempenhados pelo cliente: no processo decisório, entender quem desempenha cada papel é muito importante. O usuário (consumidor) é quem utiliza o que foi adquirido, mas nem sempre ele é o comprador (quem vai até a loja ou a empresa e adquire o produto/serviço). O influenciador é quem opina, interferindo na decisão de compra.

3. Mix de produtos ou serviços: quantas oportunidades de vendas são perdidas quando o consumidor não encontra o que procurava? Não encontrando uma ou duas vezes o que procura, possivelmente ficará a mensagem: "aqui não tem o que você precisa". E o resultado? Ele não volta mais.

Por isso, a preocupação em estar próximo do consumidor para identificar porque ele entrou na loja, ou fez um contato com a empresa e não comprou é muito importante. Possivelmente você terá uma pista se o mix oferecido está adequado.

Richard Vinic é coordenador dos cursos de pós-graduação em Marketing da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP).

 

SOFTLAND SISTEMAS

 

 

Автор :
Joomla SEF URLs by Artio